14.7.18

Operação Tutti Frutti

Ele há nomes de operações estranhas, que há. "Guns'n'Roses" (não bastava já uma banda foleira cheia de drogados com esse nome?), "Irmãos metralha" (certinho como há BD's do Tio Patinhas espalhadas nas casas de banho das instalações da PJ) e, pasme-se, "Tupperware"... O que eu gostava mesmo de perceber, era o critério de escolha de nome, para estas operações espetaculares da Polícia Judiciária. Gostava mesmo. Mas vou ficando esclarecido, através de algumas fontes seguras. Agentes infiltrados. Diz que há todo um setor, em open office, para aí com 30 pessoas, única e exclusivamente dedicado à escolha dos nomes. «Operação Pina Colada!!» diz um, «Tá parva a mulher, precisamos de um nome muito mais in, com um toque retro, e ao mesmo tempo sofisticado e shabby chic... um, sei lá... "boca no trombone", ou "Alcapone tuguinha"» Já eu pergunto, para quando uma operação "Sou feia mas tou na moda"? Uma operação "Courgette"? É que assim como assim, os nomes também não têm de estar relacionado com rigorosamente nada, e até convém ser o mais discreto possível. O que é certo é que a "mega" operação "Tutti Frutti" está na ordem do dia, levando a cabo uma investigação que procura tirar a limpo alegados "favorecimentos a militantes" do PS e do PSD, tudo através de avenças e contratos públicos. Os grandes salafrários. 

Assim sendo, o Departamento de Ação Penal de Lisboa, DIAP, com ajuda da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ, e do Circo Chen (que dá uma perninha de quando em vez) investiga "um grupo de indivíduos ligados às estruturas de partido político" que terão desenvolvido entre sim, "influências destinadas a alcançar a celebração de contratos públicos, incluindo avenças com pessoas singulares e outras posições estratégicas. Se não deu para perceber, eu explico: É TUDO UMA GRANDE COBOIADA DE FAVORECIMENTOS. TÁ TUDO COMPRADO. É TODA UMA PROMISCUIDADE DE INTERESSES E SÃO TODOS UNS GRANDES LADRÕES... é, de resto, assim resumidamente, o essencial, o cerne da questão. 

Mas o que mais me apoquenta, nem é o Santana Lopes ser favorecido, porque isso uma pessoa já sabe... sem ser com ajuda de amigos, favorecimentos, troca de favores e ilegalidade em catadupa, esse senhor não chegava a rigorosamente lado nenhum. Isto de decidir o nome é que não deve ser nada fácil e deixa-me a ter pena desta gente que trabalha arduamente, horas e horas sem dormir, para escolher o nome da operação mais rebuscado que conseguirem. Pode até haver um concurso para a decisão! E diz até que há prémios! Torradeiras e trens de cozinha em vitroceramica para os nomes mais originais. Mas há prémios para os restantes participantes, as mui famosas pulseiras Nossa Senhora do Bonfim. E eu, estúpido,  cheguei a achar, assim de repente, que teria alguma semelhança com a decisão do nome dos furacões. Por ordem alfabética! Como se fosse assim tão simples, realmente, uma pessoa às vezes nem pensa na complexidade das coisas. Eu até conseguia perceber se esta operação "Tutti Frutti", estivesse relacionada com o Paulo Portas, assim como assim, o homem gosta muito de mistura de frutas, é muito dado à decoração de interiores e adora uma boa festa com cassetetes. Se bem que o Santana também não é esquisito. Quem pega na Cinha Jardim, pega em tudo. 


7.7.18

Eu digo que é um anuncio irritante

Há lá anuncio mais inteligente que este??? Podia jurar que a SEAT tinha finalmente percebido que o anuncio ao modelo Arona era assim, só um bocadinho, como dizer... a atirar para o espatafurdio e vá, irritante até dizer basta. Seria por isso melhor evitar passar muitas vezes, não fossem as pessoas associar a marca a um fail publicitário nunca antes visto. E assim o anuncio andou desaparecido uns tempos e a malta agradecia. Mas não, dado que recentemente voltou a aparecer, a minha teoria cai totalmente por terra. Passo a citar toda esta narrativa espetacular, para quem ainda não teve o prazer de ver, toda esta metáfora conceptual exímia e elaborada: "O pai diz preservativo. A mãe diz pílula. Eu digo, surpresa!! (imagem de bebé)" Ora vamos tentar perceber esta ligação... DUAS HORAS MAIS TARDE: não dá, pois não? Realmente uma pessoa percebe que onde não há contraceptivos, há gravidez na certa, mas onde é que anda o carro no meio disto tudo? Qual é a ligação? Exato... Será que é uma mensagem subliminar? Do género, se o sexo for feito dentro do Arona, não há bebé? Será que estamos perante um avanço tecnológico? Um carro com tecnologia contraceptiva?... O punk diz anarquia (guitarra a explodir), o pop diz, beat it, eu digo let it be (imagem de rapariga a correr para o mar enquanto se despe e fica em topless) ?????; Uns dizem isto, outros dizem aquilo... Eu digo Arona". Clap, clap, clap. Palminhas para estes pequenos génios. E palminhas também para quem escolheu a música que de resto se encaixa PERFEITAMENTE no conceito. Não é absolutamente genial? É muito, muito bom, realmente. Uma pessoa fica sem palavras. Deixou-me também um bocadinho mais descansado assim que percebi que esta é só uma adaptação a um anuncio espanhol. Ufa! Mão a passar pela testa a limpar o suor. Assim como assim, de espanhóis, uma pessoa até compreende... que eles são fraquinhos, fraquinhos, no que toca a publicidade. A SEAT diz que é Arona, pois muito bem, eu digo que é um anuncio de merda. Pode ser? Estamos conversados? Uns dizem isto, outros dizem aquilo, eu digo que é uma publicidade inenarrável. 

E se não viram, vejam, porque não posso ser só eu a ver estas coisas e a ficar com estes traumas todos. 




15.6.18

Diz me que é paixão (não é, não senhor, não se deixem enganar)

Parece que é, mas não é verdadeiramente. A novela da SIC, "Paixão", para quem já teve o prazer de ver um episódio, faz-nos achar que é uma novela cheia de alegria e amor. Vejamos o genérico, por exemplo, que tem todas as personagens em amena cavaqueira. Eles é correr no areal alegremente, eles é dançar à chuva com sorrisos de orelha a orelha, cantar e bater palmas à volta da fogueira, eles é brincar à apanhada na praia, andar de skate, passear no descapotável, brincar à guerra das almofadas, andar de bicicleta, chapinhar na piscina, passear o cão, tocar guitarra, fazer karaoke, andar numa montanha russa, jogar futebol na praia e até correr com balões na mão... E a vida é mágica e bela, respira-se paz e no ar um aroma de jasmim. SÓ QUE DEPOIS, mal a novela começa, e é logo extorsão, chantagem, subornos, rapto, ódio, violência, rancor, vingança, morte, sangue, prostituição, sabotagem, acidentes, assaltos, assédio, traição, doenças várias, agressões, assassinatos, fraude, corrupção, delinquência, sextapes, tristeza, desgraça, desemprego, ameaças, falsidade, intriga, abuso de poder, sexo, cocaína, jogo, infanticídio, alcoolismo, divórcios, violações e frases do género, "Aquela vaca está grávida". Expliquem-me, por favor, que eu estou a ficar preocupado, o que é que se passou!!!!! "Diz-me que é paixão..." uma ova!!!!! A letra do genérico é muito alegre, muito dada ao amor e fraternidade, mas não se deixem enganar, que aquela malta tá toda em guerra e o final até aposto vai acabar com um dos personagens a detonar, em conjunto com o Kim Jong-Un, uma bela bomba nuclear e é vê-los a ir todos pelo ar. 


14.6.18

Sonhos Húmidos com a J.K. Rowling

Isto é mais ou menos como funciona o clickbait dos jornais portugueses. Ora, eu realmente tive um sonho húmido, sim, mas não é bem o que estão a pensar, seus promíscuos!  Passo a contar: acabadinho de chegar a casa, dou com a minha musa inspiradora, a J.K. Rowling, sentada no sofá cá de casa. Tudo muito certo e normalíssimo. Timidamente aproximo-me e digo-lhe, muito baixinho, que sou fã dela e nisto não me contenho e desato num pranto. Todo eu me desfaço em lágrimas, ali, à frente dela, lágrimas intercaladas com soluços sonoros. Estive nisto até chegar a uma fase em que queria falar mas, o choro, que era tanto, me deixava impossibilitado de tal façanha. Ora nisto, neste misto de emoções à flor da pele,  ora era alegria, ora era choro convulso... senti que era a minha oportunidade de açambarcar aquela assinatura especial num dos livros dela. Queria que fosse o primeiro e, por isso mesmo, vou à procura do famigerado exemplar. Mas quem é que disse que eu encontrava o livro assim facilmente?? Nos meus sonhos as coisas que poderiam ser simples complicam-se e, geralmente, não consigo assim as coisas à primeira. Procurei, procurei e nada. Vem-se me um desespero só de pensar que eu perdia aquela oportunidade, que todo eu estava num frenesim. Não faço mais nada e agarro num qualquer, ali à mão de semear, que se lixe! Só que nisto a caneta estava partida na ponta e ia ser um horror para a J.K. Rowling assinar. É que a mulher até pode ter escrito parte do Harry Potter em guardanapos, mas a caneta era coisa para nunca lhe ter faltado! Pois ali a via eu, envergonhado, a escrever o seu nome todo torto, na ponta da folha porque a merda da caneta não dava para mais. E DEPOIS SE EU QUISESSE VENDER AQUELE LIVRO POR UMA FORTUNA, COMO É QUE IA SER? Pois claro que não dava, ninguém acreditaria, sequer remotamente, que aquilo fosse a assinatura da Rowlingzinha. Não era tarde nem era cedo, lá vou eu à procura de outro livro e de outra caneta. QUANDO CHEGO À SALA, J.K. Rowling abandonara o local. Corro como se não houvesse amanhã, na rua, e vou até ao carro onde ela está. Bato no vidro e peço-lhe, assim já a roçar o desespero... e não é que foi arrogante, e fez uma cara de enjoadinha??? FALSAAAAA!!!!!!!!!!!!! Depois olhei para ela e lá percebi que não era, assim, bem a J.K. Rowling... era outra loira qualquer armada em lambisgóia. 






29.5.18

A Eutanásia: A extinção total dos idosos



Pode não ser agora, até pode nem ser hoje, mas é certo que, mais cedo ou mais tarde, a eutanásia vai acabar por ser legalizada. Muito porque não há como escapar a uma evolução no pensamento (quero acreditar) e acabaremos por deixar de ser uns grandes egoístas e falsos moralistas. Umas grandes bestas, na verdade. "Vida sim, morte não", gritam os manifestantes, que se intitulam pró-vida, horas antes da votação à porta do Parlamento. Não se nota nada que é malta assim para o mal informada... Eu espero que os queridos nunca cheguem a estar assim, sei lá, durante largos anos, presos a uma cama, onde não se perspetiva rigorosamente nada para as suas vidas, a não ser esperar, esperar que o corpo não aguente mais as dores cuja medicina já não consegue atenuar minimamente, porque já se usou tudo, porque o organismo já se habituou a todos os fármacos, a todas as doses cavalares possíveis de drogas. Eu não sei quanto às outras pessoas, mas não me imagino numa posição em que sei que estou com uma doença degenerativa, num ponto absolutamente irreversível, a saber que não tenho outra forma de vida senão aguentar todo o processo até ao fim, um fim que não será escolhido por mim. É tão fácil acharmos o que quer que seja distantes do problema, não é? 

Eu conheço-me, numa situação dessas até podia ser um grande coninhas e preferir (e conseguir) aguentar estar em estado quase vegetativo a ver as tardes da Júlia. Mas, não sei... gostava de, na altura, poder escolher. Ah e tal,  "é uma visão demasiado liberal (...) Um espírito demasiado liberal. Corremos o risco de pensar que as leis são feitas à medida do individuo... e tem de haver valores éticos, valores sociais e culturais" Ah e tal, que "O modelo liberal é contagiante e pode haver uma generalização, ou uma permissividade que pode levar a exageros"... Claro, meu caro, porque como é evidente, um dos valores sociais que o senhor não tem é o respeito pelas escolhas do outro. Depois da eutanásia, a anarquia total, o caos e a desordem. Mais ou menos como a despenalização do aborto. Desde 2006 que tem sido o horror, um deboche total, as mulheres não fazem outra coisa na vida que são abortos em massa. Até porque é algo que, por certo, dá imenso prazer. Eu de resto conheço umas quantas que estão verdadeiramente viciadas em fazer abortos, dizem que dá adrenalina e fazem imensas amigas durante todo o processo. 

Pode não parecer, mas isto é mais ou menos a questão do consumo de carne, ou como a questão das touradas. Mais tarde ou mais cedo, mais ano menos ano, mais século menos século, e é certinho como vamos deixar de comer carne, ou de espetar animais só por diversão. É uma questão de consciência, de evolução de pensamento e de reeducar as pessoas. A seu tempo as consciências chegam lá.... Já se sabe que é difícil, eu não acredito que a Assunção Cristas no seu tempo de vida consiga expandir o seu micro cérebro. E, posto isto, lá vamos nós ter de levar com malta que pinta cenários absolutamente tenebrosos, que nos fazem antever o abrir de uma caixa de pandora... mas é inevitável, vamos lá deixar de ser fundamentalistas obtusos e pensar um bocadinho no outro e na sua liberdade. Temos qualquer coisa como 3.8 biliões de anos de processo evolutivo, já está na altura de agir em concordância. 

Foto totalmente açambarcada do Instagram do Diogo Faro, mas é demasiado boa. 


20.5.18

Anita não ouve a Avó e fica sem o dente da frente, que já era definitivo

"ANITA, Ó ANITAAAAA, FILHA, DEIXA-TE TAR SUGADA EM CASA... RAIOS PARTA A MIÚDA!!!!!" (a Avó da Anita, a dona Anália, vai prendê-la numa jaula. Não é que a Anita também quer ir ao Jamor?)