19.6.17

Pedrógão

E assim de repente, vendo bem, o meu quarto nem está assim tão quente como isso. E se calhar nem é assim tão mau ter de dormir como vim ao mundo, ou arrastar-me até à sala para poder dormir. Em perspetiva nem é assim tão estúpido percorrer o facebook e ter, notícia sim, notícia não, artigos a falar da Madonna em Lisboa. Da Madonna a ir ao liceu francês, a ir a Sintra, a ir à praia da Comporta andar a cavalo, a ir à piriquita comer travesseiros até ter uma dor de barriga. É preferível. É preferível, de longe, a ter de saber que o mesmo fogo que não teve piedade de 62 pessoas, continua, ainda hoje, com 4 frentes ativas. Com ainda mais frentes noticiosas implacáveis e abutres, onde se tenta extorquir a dor de quem não tem como ver de fora, porque não lhes resta outra coisa a não ser estar lá. Que este cenário é notícia além fronteiras era de esperar, o que há a lamentar é que haja sempre Judites de Sousa a mostrar a falta de bom senso, a usar a tragédia e dor alheia como forma ultrajante de apelar à emoção. Eu explico, para quem não viu: A Judite de Sousa achou que seria sensato e profissional fazer um direto com uma vítima como cenário de fundo. 




18.6.17

As Caraíbas dos Pobres

Tudo o que é turista deve estar ao rubro. Durante o dia têm direito a 43 graus à bruta, mas à tarde, chuva e trovoada num diluvio sem fim. Lisboa que está em tudo o que é lado: ele é referências laudatórias nos melhores jornais, ele é revistas de viagens a elogiar o pastel de nata, ele é presença assídua em todo o tipo de listas e 'tops' possíveis e imaginários, está aqui, está a ser conhecida como as Caraíbas dos pobres. Não é de estranhar... Lisboa surpreende pela luz, pela arquitetura, pelas ruas a cheirar a mijo. Agora já se sabe, Portugal com as alterações climáticas emergentes, com o Natal a 30 graus, está muito próximo de se tornar num país tropical. E parecendo que não, é chato. A Ana Malhoa bem nos avisou sobre o eminente tropical urbano... mas longe de mim esperar que estaríamos próximos de um paradigma meteorológico como este. Nunca antes visto! Para não dizerem que eu não vos dou novidades e que não digo nada de jeito, aqui está uma novidade relativa aos festivais de verão que se avizinham (e já que este ano não vem cá ninguém que se aproveite - a não ser o Woody Allen...): a Ivete Sangalo vai estar no Rock In Rio de 2018! É verdade. E também no de 2020. E no de 2022, 2024, 2026 e 2028! Não podem dizer que a malta do Rock n Rio não vos traz sempre grandes surpresas. É de levantar poeira no chão até desenvolver silicose com tanta poeirada nos pulmões. Na verdade isto é informação exclusiva, da qual eu sou um privilegiado em saber. Nada faria prever um regresso da saltitona por estas bandas. Posto isto, dizer que a silly season está-me a afetar bastante. Estou aqui estou a falar da importância da batata no cozido à portuguesa ou das causas do prurido perianal.   


11.6.17

Coisas que um tipo tem de ouvir #4

É praticamente verão e se há coisa que nunca me há-de acontecer, é aquela situação do "ah, espera, já estamos no verão?? Nem dei por nada!! Estamos aqui estamos no natal"; dou, dou muito bem por isso, dou sempre, porque faço anos nesse belo dia de solstício. É neste contexto que a Olá, a marca de gelados (que tem nomes estranhíssimos noutros países e que nós até pensávamos, ingenuamente, que era uma marca portuguesa...), tem andado a relembrar as pessoas que está na hora de comer gelados à balda. Ultimamente foram as mensagens coladas no chão do metro, com frases do género: 'diz Olá a quem está a descer as escadas", ou, "diz Olá a quem está do outro lado da linha". A meu ver a jogada de marketing era mais forte, se fosse antes: "Atira alguém das escadas rolantes, quando ocupam lugar à esquerda", e, "manda alguém para a linha que te esteja a irritar profundamente"; ou ainda, "grita com o senhor cego que acha bem atravessar as carruagens em hora de ponta quando tu não te consegues mexer um centímetro - mas ele quer passar!!!!!". Eu só sei que nunca ninguém me disse olá desde que vi esta publicidade, nem vi ninguém a fazê-lo, somos pessoas muito sorumbáticas quando andamos em transportes públicos, basta olhar para o semblante fechado da malta à nossa frente. Aquela ideia de que todos nós somos potenciais assassinos faz todo o sentido nesse contexto, por isso, Olá, não me peças para ser simpático. 

Mas entretanto a marca teve outras ideias pertinentes. A minha amiga Madalena, que está naquela fase em que quer dar tudo para estar em forma para o verão, contou-me, em prantos, que no dia em que se lembrou de ir correr e caminhar para abater uns quilos, foi o dia em que estavam a dar gelados na rua! Comeu um. "por azar acabo de comer o primeiro, aparece-me outra miúda a oferecer outro...". Quer dizer, vamos lá ver, não basta a malta achar que vai ficar em forma num mês, não basta a malta que entope os ginásios por esta altura mas começam a hibernar em setembro, ainda vêm dar gelados hipercalóricos para a rua!! Está bem que uma pessoa tem de saber quando fechar a boca, mas quem é que diz que não a dois cornetos à borla?? "soube tão bem. Mas foi mesmo triste, não ia recusar não é??" Nunca se diz que não a nada que seja à borla. É isso e apanhar moedas na rua. No outro dia, à saída de uma loja no Vasco da Gama, vejo 20 cêntimos polidos e reluzentes no chão. Vai de apanhar. Não é que o raio da moeda estava colado ao chão intencionalmente? É que nunca mais apanho moedas na vida. A Madalena nunca mais vai correr para ficar em forma. A Madalena aprendeu a lição, vale mais ficar sossegada e alapada ao sofá, que sair à rua e ingerir 900 calorias à bruta durante uma corridinha. 



1.6.17

Cunilingus e IRS

Não bastasse já ter de estar a fuçar no site das finanças em dia de folga, na semana passada, num cenário idílico, sem conseguir submeter a merda da declaração de 2016, com anexos que nunca mais acabam, com erros que se reproduziam, numa charada sem fim... ainda tive de, ao lado da minha mãe, ouvir coisas como estas que se seguem, na televisão (alerto para o leitor mais sensível que o que se segue pode fazer corar a Ana Malhoa, ou a Cicciolina): "A Madonna nunca se sentou na tua cara??", ou "há coisas que crescem dentro de nós... como a próstata, por isso é que ficas mais sensível, mais bom, mais bem formado, porque a próstata é responsável pelos bons sentimentos... a apalpação da próstata é um ato de amor; o médico mete o dedo no cu para saber se estás bom"; ou ainda, A PIOR DE TODAS (e por esta altura eu já me ria em silêncio, virando a cara para o lado oposto à minha progenitora, já encarnado: "lambe-me o cu... o que em alguns casos pode ser granda prazer, não é? isso, isso, anda... lambe-me o cu. Isso! Espeta, espeta porco!!". E ainda, como se não chegasse já, "a minha palavra preferida vem do latim... cunilingus". E continua: "também gosto de outra palavra do latim, que é uma coisa que as meninas fazem, as que querem entrar nas novelas; que é o casting. As meninas vão lá aos diretores das novelas, não é, entram nos gabinetes, não é, e fazem um casting. Antigamente chamava-se felatio; neste momento há muitas meninas a dizerem às mães: mãeee, vou para Lisboa... e diz a mãe... mas não engulas!" - obrigado Herman, por todos os momentos constrangedores em família. 



24.5.17

A Madonna não está boa da cabeça

Ó Madona, mas tu sabes bem no que te vais meter? Mas tu sabes quanto vais pagar de passe de metro? são 36 euros!!! Parecendo que não, custa a dar. Ainda por cima passes para 4. E depois ainda tens a trabalheira de ter de ir ao site do metro para pedir fatura, extremamente necessário se não quiseres pagar uma fortuna de IRS. Sim, não penses que vens para cá para não contribuir, era o que faltava, mais uma agora armada em virgem dos impostos. Se é para te mudares, se é para viveres neste nosso portugalinho, é para ser como deve ser! Além disso no que toca a burocracia, estás feita. Não é para te assustar, mas se estás a pensar ir à segurança social (nunca se sabe, há fenómenos vários por estas bandas, e poderás ser coagida a ir)  cuidado com as filas, da ultima vez que lá fui fiquei a saber que, poucos dias antes, tinha morrido alguém com um ataque fulminante (é verídico, liguem para lá e comprovem a veracidade desta minha afirmação). Mais, ainda no que toca ao metro... a estação de Arroios estará fechada durante ano e meio, e por isso se coloca uma grande questão: então e se tiveres de ir comprar massas chinesas para desenrascar??? É um esticão dos Anjos a Arroios, já tens 58 anos. Também, vá, Nem tudo é mau; uma boa notícia é que vens em boa altura de poder andar só de cuecas, isto têm tendência para se tornar um inferno na terra, com as temperaturas a chegar aos 40 graus. Em casa, terás de ligar a ventoinha se quiseres dormir, ou fazer como eu, que me tenho de borrifar de água para não entrar num processo de combustão espontânea. Poderás sempre dormir nua, como de resto gostas muito (e eu também). Há mais conselhos, cara e ilustre Madonna: sei de fonte segura que estás a pensar comprar casa em Chelas, mas tem cuidado que a zona não é, in loco, das mais seguras. Está bem que os putos se vão sentir em casa e ia ser animação todos os dias na certa, mas se tiveres de optar por uma zona boa, fica-te pela Ameixoeira. Mete só vidros blindados em casa. E usa coletes anti-balas, pelo sim, pelo não. Posto isto, diverte-te, Lisboa é incrível e tens coisas para ver durante dois dias! É a loucura. Depois disso, vai mas é descobrir Ranholas, que fica ali para os lados de Sintra.


18.5.17

Coisas que um tipo tem de ouvir #3

Um senhor que ao falar ao telemóvel, diz: 'Pode-me deixar a chave no forno do carro?'; ORA BEM, partindo do pressuposto que eu não padeço de perda de audição (e de que não preciso de nenhum aparelho da minisom), este senhor só pode viver no futuro, e eu noutra época muito, mas mesmo muito atrasada - mas isto em simultâneo. Assim numa espécie de Midnight in Paris, do Woody Allen, em que o personagem principal, Gil Pender, quando apanha um táxi à meia-noite, acaba a visitar os anos 20 de Paris. Só que, neste caso, eu apanhei o autocarro da rede expresso, e sou transportado para o futuro. Mas um futuro altamente avançado, não é ali em 2040, não! Porque um forno no carro é coisa para ser tecnologia para chegar no ano de 3020. Ou isso, ou, muito menos provável, o senhor enganou-se e, em vez de dizer porta-luvas, vá de lhe chamar forno. Ou isso, ou então tem uma daquelas roulotes discretas que fazem e vendem pães com chouriço.