16.4.16

O que Não fazer quando uma relação acaba

Este título não dá com nada. Mas lembrei-me disto quando ouvi alguém, agora mesmo, mencionar que dava cabo de dois frascos de nuttela à colherada, sem quase dar por isso. Quando acabo uma relação simplesmente não faço nada, muito menos besuntar-me em nuttela, até porque não gosto. Lembro-me de ter comido tanta que acabei por enjoar, é um bocado típico da minha pessoa. Recordo particularmente que, quando estava a viver em Istambul, comia pão quente com nuttela o tempo todo. De manhã, à tarde e às vezes antes de dormir, só mesmo para almofadar o estômago. Nem me lembro de enjoar na altura, mas sei que, quando fui a Paris, vai de pedir uma espécie de crepe enrolado em nuttela (Já disse nuttela umas 10x, mas juro que não é publicidade, até porque o que se segue não augura nada de bom), e nisto quando dou por isso, a caminho de casa, me vomito todo assim à grande e, literalmente, à francesa. Foi giro, desde então não toco naquela coisa castanha com ótimo aspeto (só para não dizer o nome). O que não fazer quando uma relação acaba é um bocado abrangente, abarca tudo: do cortar os pulsos (já ouvi com cada história dessas), até ao saltar da ponte (não conheço ninguém, uff), mas o mais comum é comer que nem um alarve, não é? Esbarrar assim no supermercado com gelados Haagen Dazs, e levar para casa uma duzia, entrando numa relação com os mesmos, onde nos tornamos, sem dar por isso, uns Polyamorous sempre com espaço para mais um no nosso congelador. Sigam o meu exemplo e não façam nada, pode não parecer, mas é bem mais produtivo. Se gostavam mesmo da pessoa, o que não tem sido o meu caso (acho eu), a coisa pode piorar, é certo... pelo sim, pelo não, assegurem que não enfiam nada na boca. (acabei de perceber que escrevi Nutella mal, mas é a prova de que estamos mesmo de relações cortadas). 


1 comentário:

  1. Eu já terminei uma relação com uma pessoa de quem gostava mesmo e sei que dói horrores. Também concordo com a abordagem de não fazer nada - é o melhor. Nem comer que nem uma lontra, nem parar de comer, nem entrar numa nova relação para esquecer a outra pessoa. Aliás, a mim os fins de relação fazem-me sempre pensar "por que raio é que me meto nisto?" e entro em celibato por um ano ou dois. Estar em paz sabe-me pela vida.

    ResponderEliminar