30.10.16

Tudo o que é Bruxa a celebrar

Esta é aquela altura do ano em que a professora Minerva McGonagall está de parabéns, assim como a assustadora Miss Gulch que atormentava a pequena Dorothy. Por cá as nossas bruxinhas nacionais também estão de parabéns, pois claro. O que é nacional é bom. A tia Maya está de parabéns. A Maria Helena também. A que nunca mais meteu os pés na SIC, idem, que isto no que toca a bruxas é melhor não descriminar ou nunca se sabe do que são capazes, ainda acabamos cheios de doenças e verrugas no nariz. Mentira, são todas umas queridas. A sorte delas é que a inquisição já acabou há muito tempo, caso contrário estas meninas por certo não tinham direito a dizer a quantidade de baboseiras que dizem em canais de televisão. Não senhor. Em vez disso, e porque a televisão gosta muito de ir de encontro aos poderes instalados, houvesse TV nesta altura e ainda transmitia era as queimadas em direto. Em vez da novela da noite dava era programas do género: "a bruxa chamuscada", ou, "já cheira a bruxa assada", ou ainda, em tom de promoção do programa: "não perca a condenação, em direto, da bruxa Maya. Não pode perder os seus grunhidos ensurdecedores, às 21:30". Já estou a imaginar uma casa dos segredos versão bruxas. Todos os dias havia porcaria. Ou uma que transformava em sapo a outra, ou a mais rebelde que andava a voar na sua vassoura e não respeitava as regras de transito, colocando em perigo toda a produção já cheia de maleitas e pragas em cima. A Teresa Guilherme estaria radiante que, pela primeira vez na história, se estava a dar importância à sua classe. 

A Maya, por exemplo, é um caso de estudo. Desafio até a comunidade estudantil a pensar em teses sobre este tema. É uma bruxa dos tempos modernos, que se mistura com as pessoas normais e com tempo de antena em programas de altíssima qualidade. Ela é pioneira na moda das unhacas gigantes e cheias de côr e brilhantes. Ela é das primeiras bruxas em Portugal a ser capa de revistas onde aparece mais nua que vestida. Só não apareceu na revista GINA porque ela já não existe (acho eu). O que é certo, e tem de ser valorizado, é que a Maya fez ultrapassar a concepção datada das bruxas vestidas de preto, com chapéu e um nariz enorme. Pronto, a parte do nariz enorme ela não conseguiu ultrapassar. 

No dia das bruxas há que valorizar as melhores bruxas e bruxos nacionais, não podemos deixar de lado o sexo masculino nestas andanças. Como não nos lembrarmos do Alexandrino e a sua emblemática frase "firme e hirto como uma barra de ferro?", não chego a saber se ele tinha carteira profissional, mas pelo menos o professor Mamadu e o professor Karamba têm, e eles podem atestar com toda a certeza. Por certo tiraram um doutoramento em Hogwarts, o que equivale a tirar uma licenciatura de três anos na Católica. Ainda que em Hogwarts não se entre só porque se tem dinheiro, basta pensar no Harry Potter que dormia, o pobre coitado, debaixo da escada do número quatro do Privat Drive, já para não falar no Ron e familia, que mais pelintra que eles é dificil. Já o Paulo Portas entrava na faculdade de motorista, cheio de pompa. Não tirem por isso o mérito desta gente com dons especiais.

O Halloween é das minhas épocas do ano preferidas. Ainda que, não raras vezes, (e isto é real, ainda ontem aconteceu), às vezes fique na dúvida se as pessoas metem fotos novas no facebook e eu não sei, ao certo, se aquilo é normal, ou se é o traje e a maquiagem desta época festiva. Ontem fiquei a olhar para uma fotografia e dei por mim a pensar: "espera, isto é para o Halloween, não é? Se calhar não...". E juro que não foi por maldade, mas aconteceu. Por isso, pelo sim, pelo não, tenham especial atenção às fotos que metem nesta altura, não vá alguém, descuidado, comentar: "bem, ficaste mesmo uma bruxa!", quando tudo o que vocês queriam, e a descrição deveria deixar isso bem claro, era ir a um jantar romantico com a vossa cara metade. Ou pior, a um casório, ainda que não saiba se é muito frequente casamentos nesta altura. 

Há uma razão primordial pela qual eu adoro esta época. A qual não posso, nem por sombras, deixar de mencionar. Todos os anos aguardo ansionamente pelos vídeos do Jimmy Kimmel. Surgiu como um Youtube challenge, e é um dos pontos altos do meu ano. É precisamente nesta altura que o aprensentador do talk show americano lança o desafio: "I Told My Kids I Ate All Their Halloween Candy". É, resumidamente, a reação de putos ao facto dos pais simularem que lhes paparam todos os doces que os fedelhos reuniram na tradicional expedição à caça da noite anterior. Isto culmina em muita choradeira, muita birra, muita criançada a querer desistir da vida. E chegam a existir coisas a voar, agressões (fofinhas, vá) e umas outras reações que me deixam enbevecido, a querer ter 10 putos no minimo. Acho que já toda a gente no mundo deve (ou devia) ter visto isto, em todo o caso fica o meu preferido, com a ressalva que existem muitos mais e, fiquem atentos, o deste ano ainda está para sair! 






Sem comentários:

Enviar um comentário