24.11.16

Preciso de uma paulada na cabeça


Ultimamente tenho gasto dinheiro em coisas que, convenhamos, não são bens de primeira necessidade. Do género: meti na cabeça que queria começar a fotografar em filme e, vai daí, decido comprar uma máquina da Canon do tempo dos dinossauros. Acontece que a tipa vinha cheia de problemas e doenças, ainda que o grande salafrário que me a vendeu tivesse garantido que estava impecável. Não estava, não senhor, e o arranjo é coisa para ir parar a 147 euros. Não vão à Instanta, fujam assim que começarem a pensar nisso sequer. Por uma pilha dei a módica quantia de 17 euros. Enfim, tudo vai acabar bem, e eu vou dar graças ao Senhor por ter feito tal aquisição esplendorosa. É linda e sexy. É uma ilustre A1. Estive vai não vai para comprar uma Pentax K1000, que era a máquina com a qual a Claire Fisher, do Six Feet Under, fotografava na série e, se bem se lembram (como assim não se recordam???), e se viram a série (como assim não viram???), dá o ar da sua graça mesmo no último episódio naquela emblemática cena em que o Nate diz, e passo a citar: "You can't take a picture of this, it's already gone". Se tiverem uma máquina velha la em casa, e me queiram ceder gentilmente, terei todo o gosto em aceitar! Ou isso, ou tenham talento para arranjá-las. Mas isto não é tudo pasme-se, que isto está longe de ser o pior.

A segunda obsessão ultrapassa todos os limites do aceitável. Então não é que ando para cometer a loucura de comprar livros do Harry Potter?? Esclarecer que eu tenho vergonha de admitir isto, tenho mesmo, mas já viram as novas edições? Isto é assim... Eu sou da geração Potter, sou. Lembro-me de ir ao cinema, de rua, que já nem existe, ver o primeiro filme. De estar apinhado de gente, numa sala que faz o triplo das atuais salas de centro comercial... parece que foi ontem. Lembro-me, aliás, do exacto sítio onde me sentei, de ser na ponta, e de atrás de mim ter ficado uma chata que não me largava. Mas depois há que ter muita calma e não cair em tentação, só porque somos assombrados por um saudosismo atroz! Um tipo não vai para novo mas há que ter algum bom senso. Ser da geração Potter só significa que fomos maníacos pelo assunto mas que, obviamente, depois passou. Só que ninguém faria prever que voltaria. Ajudem-me a ser uma pessoa consciente. 

Isto tudo como se não tivesse já uma avultada lista de livros para ler. Queria ler o Middlesex do Eugenides, queria acabar Terra do Pecado do Saramago, queria ler o Brave New World, a Montanha Mágica, etc e tal... mas não... está-me a dar vontade é de ir reler a saga do Harry Potter e da restante trupe a brincar com a varinha. 


Sem comentários:

Enviar um comentário