13.3.17

15 coisas que não sabe sobre a Primark (a minha versão)

A NIT publicou hoje um artigo, (e por hoje entenda-se que voltou a publicar - pela enésima vez - uma "noticia" que volta e meia regressa porque teve imensas visitas e dá logo receitas publicitarias, de maneira que há que a rentabilizar) onde nos dá a conhecer 15 coisas que as pessoas não sabem sobre esta loja. Sim, esta informação volta quando menos esperamos, muito porque é de extrema relevância. É essa e aquela muito boa, que fala sobre o que aconteceu aos concorrentes do programa Biggest Loser (vejo-a uma vez por semana). Entre os factos estão coisas como: a loja ter-se chamado Penneys... e ainda bem que mudou! Nós portugueses somos tão bons a falar inglês que muito provavelmente diríamos facilmente que íamos à loja Pénis. "Ah, onde é que vais, miga?" - "Vou à Pénis, queres vir...? estou exitadíssima por lá ir". Podia gerar problemas graves. Foi a pensar nisso que, por certo, a loja mudou de nome. O resto dos factos não interessam muito, verdade seja dita. 

Entretanto eu tenho 15 factos bem mais interessantes sobre esta grande loja, que na verdade já toda a gente que lá foi sabe quais são. Ora vamos lá:

1. Seguranças
Nunca vi uma loja com seguranças com um ar tão ameaçador e tão agressivo. Parece que estão prontos a cortar a goela daqueles que se atreverem a tentar roubar umas cuecas a 50 cêntimos, ou uma t-shirt ranhosa a 2 euros. Até pode estar a entrar um puto com 4 anos que eles vão lançar um olhar furtivo de quem, caso a criança se lembre de levar alguma coisa caríssima ao bolso, vai logo recambiada para a prisão de Vale de Judeus. Uma vez o alarme apitou a uma senhora adorável e eu achei que os seguranças eram meninos para a levar até às ultimas instâncias: prisão perpétua/cadeira elétrica/fogueira com ela.

2. Olha, afinal não há mais nada a dizer da Primark...

3. Mentira, até há. Mas não muito mais

4. A dimensão das lojas
Diz-se por aí que há lojas bem maiores que a do Colombo. O inferno na terra, portanto. Deviam fazer a distribuição de mapas à entrada, ou um sistema de GPS adaptado a lojas - assim sempre seria mais fácil uma pessoa encontrar o seu caminho até à parte de homem, há quem permaneça numa espiral de desespero entre a zona da casa e da roupa intima feminina. E ainda deviam distribuir gratuitamente garrafas de água, uma coisa ao estilo das maratonas. Haveria profissionais, ou voluntários, vá, só para distribuir águas e mantimentos àquelas pessoas que não conseguirão sair dali tão cedo. É que deve desfalecer lá gente que é uma coisa parva. Todos os dias há por lá gente a fazer respiração boca a boca e coisas badalhocas desse género. 

5.O Desespero
Eu duvido que esta se aplique a todas as pessoas, já que há gente que faz da Primark o seu habitat natural. Mas comigo, e isto é mesmo verdade, chego a um ponto em que fico mal disposto, tonto, com a visão turva. Não é preciso muito tempo. 5 minutos são suficientes. Há outros sítios onde isto me acontece, mas na Primark é tiro e queda. Sou muito sensível. Honestamente eu detesto fazer compras, de qualquer tipo, mas roupa em particular. Preferia, como a minha mãe diz, que as senhoras das lojas fossem lá a casa perguntar se eu queria alguma peça. Era realmente melhor. Pelo menos, por certo, não teria esta sensação de tontura que me dá sempre que estou em espaços com muita coisa, sem lógica espacial, sem organização. Por exemplo, ir ao Continente do Colombo provoca-me a mesma sensação. Será patológico? 

6.As Coleções 
As coisas mais interessantes na Primark chegam a Portugal passados dois anos ou, nunca chegam. Aqui há uns meses tive o meu primo, completamente fora de si, depois de ver uns pijamas do Harry Potter no Instagram da Primark, a pedir-me para ir lá comprar. O meu primo só tem 34 anos, por isso é perfeitamente normal... Lá fui eu, coagido, até ao Colombo ver se havia sinal da coleção de pijamas. Também queria um para mim, vamos lá ser honestos. Nerd que é nerd anda de pijama com os símbolos dos Gryffindor. Só que corri tudo e nada. Tive uns 20 minutos para meter na cabeça que era normalíssimo perguntar por pijamas do Harry Potter a um empregado. Acho que cheguei a sair da loja e a voltar para trás, depois de pensar, "que se lixe, faz de conta que não é para mim", ou "caraças, aquela pessoa nunca mais me vai ver na vida". 

7.Na Primark não há gente gira
Não há. Eu nunca vi ninguém giro na Primark, só mesmo quando me olho ao espelho. 

8.Os Empregados Desconfiam de tudo e todos
Quando estava a pagar com nota a senhora pegou numa caneta daquelas que verificam se a nota é, ou não, verdadeira. Acho de mau tom. Podiam fazer aquilo de forma discreta. Viravam-se para trás, ou de qualquer outra forma que não fizesse com que me sentisse um gajo da máfia. Está bem que eu até podia ter uma nota falsa sem saber, mas a coisa podia ser ali mais elegante, sem me fazer sentir um criminoso da pior espécie. 

9.A PRIMARK NÃO TEM A COLEÇÃO DE PIJAMAS DO HARRY POTTER, PARA HOMEM. UMA VERGONHA! (este facto vale por dois)

10.As pessoas
Na Primark só há gente feia. É verdade. Além de não haver gente gira, só há gente feia. A única malta gira relacionada com a loja são as modelos e os modelos do site. São pagas para isso.

11.A Primark é como uma selva. Não sou eu que digo, está escrito no site. 

12.As Pantufas
A primark tem pantufas de quarto engraçadas. É um facto interessante, visto que se há coisa que não há em lado nenhum, são pantufas aceitáveis e que não pareçam que temos 80 anos e estamos enfiados no Lar Estrelícia Rosa. Encontrei-as lá. Ainda ontem me disseram que eram de velhinho, mas a pessoa que proferiu tais afirmações não pode estar bem da cabeça.

13.As peúgas (provavelmente a pior palavra da lingua portuguesa)
As meias compradas na Primark têm mais tendência para serem dadas como desaparecidas com maior frequência. Eu acho que isto devia ser estudado. Alguém que comprove isto cientificamente... é que todas as meias que eu por lá compro têm uma maior propensão para fugirem e nunca mais serem vistas. Geralmente só foge uma, deixando a outra à sua sorte. Acaba no lixo. Ou então ando com uma meia de cada espécie, hoje em dia vale tudo, só não vale usar casacos que nos façam lembrar o Goucha. 

14.As 'bixas'
Esperar duas horas por um par de meias não compensa! É que não bastasse o suplicio, ainda temos de ouvir as conversas de pessoas ao telemóvel: "Estou na bixa! Está enorme... vou já, Kátia". Se alguém vai comprar pouca coisa, envelhecer 3 anos numa fila que pode ir até à Reboleira, é capaz de não ser boa ideia. Eu pelo menos falo por mim, desisto e mando o que tenho para o primeiro sitio que me parecer decente/que não esteja ninguém a ver. É que está bem que eles têm uma fila de umas 20 de caixas para fazer o pagamento, só que na realidade eram precisas 200. 

15.Na Primark Parece tudo muito barato!
Parece... as lojas de centros comerciais, certas lojas, claro, parecem feiras. Além de parecer tudo igual e de ser tanta coisa que uma pessoa não sabe bem para onde se deve virar, há coisas que são tão baratas que é ver a malta a enfiar tudo no cesto. Só que depois saem de lá com uma conta de 2.000 euros em coisas descartáveis e endividadas até à medula.

(a Primark que me ponha um processo por difamação que eu ponho outro por não terem a merda dos pijamas!)



Sem comentários:

Enviar um comentário